Rabiscando as paredes do Sótão

Rabisco paredes a lápis para que a borracha encontre utilidade quando eu errar.

Humor Negro

quinta-feira, 26 de outubro de 2006


Encontrei este cartoon navegando pelo sitio do Tribal Generation.

Triste realidade do evangelicalismo brasileiro.

Querida Igreja

terça-feira, 24 de outubro de 2006

Não que eu esteja sugerindo a compra do livro, mas achei muito interessante a resenha do livro Dear Church: Letters from a Disillusioned Generation, ou Querida Igreja: Cartas de uma Geração Desiludida (em tradução livre), encontrada no Amazon.com um dia desses. Segue minha tradução do texto na integra.

A estreante escritora Cunningham é mais uma dos que com 20 e poucos anos se sente ambivalente a respeito e alienado da igreja. Em 14 cartas, ela exala suas frustrações, dizendo à igreja porque está descontente e deixando outros insatisfeitos leitores da Geração-X e Geração-Y saberem que não estão sozinhos. Sua geração mergulha na tecnologia, mas ainda anseia por intimidade entre as pessoas e por comunidade. Valorizam a “autenticidade” e são desconfiados das igrejas onde a adoração parece ser muito perfeita, muito “pré-planejada”, muito conscientemente legal. O Espírito Santo pode mover algumas pessoas a saírem de suas igrejas locais, e Cunningham aprova isso, contanto que encontrem uma comunidade cristã em algum outro lugar e se abstenha de falar mal dos membros de sua ex-igreja. O livro não é voltado completamente a queixar-se; Cunningham destaca também os aspectos da vida da igreja que lhe dão esperança. Ama a elasticidade e a flexibilidade da igreja. E ama Jesus, que era simultaneamente antiinstitucional e profundamente comprometido com a igreja. O formato epistolar de Cunningham é ironicamente disposto, traçando as mesmas linhas que os não autênticos cultos das igrejas que ela critica traçam. As perguntas ao fim de cada capítulo ajudarão grupos pequenos que queiram usar este livro como um ponto de partida para discussões, mas finalmente, há pouco aqui que não tenha sido dito antes.