Rabiscando as paredes do Sótão

Rabisco paredes a lápis para que a borracha encontre utilidade quando eu errar.

Onde Ele é encontrado

quinta-feira, 31 de agosto de 2006

Eu me sentei na cadeira. As luzes estavam escuras. As chamas das velas tremiam nos olhos da comunidade de adoradores ao redor de mim. Eu estava frustrado. Lá estava eu ao final de minha semana. Eu sentia como se tivesse dado tudo de mim. Não havia restado nada. Eu me sentei na vulnerável escuridão com emoções cruas, reais que caiam sobre mim: fraqueza, solidão, auto-piedade…

“Deus, por que eu não consigo focar? Onde eu estive? Por que eu não posso fazer as coisas que eu sei que eu preciso fazer?”

Você alguma vez já se permitiu uma viagem de culpa por pensar muito em você? Tudo aquilo que a culpa auto-infligida faz é continuar o ciclo vicioso de especulação interna. Às vezes eu tenho que rir do timing perfeito de Deus. O orador se levantou e começou a pintar um quadro do paradigma do Reino: pessoas.

O coração de Deus sempre foi por pessoas. A história é preenchida em todos os momentos por essa Sua perseguição incansável. Pessoas desesperadas estão esperando por nós para sermos perseguidores do mesmo propósito. Jesus pretendeu para a sua igreja que ela fosse centrada nas prioridades dele: ministrar ao pobre, curar o quebrantado, proclamar liberdade aos cativos e oprimidos e recuperar a visão ao cego (Lucas 4:18). Se nós não somos pelas pessoas, por entregar tudo para buscar o Único, então a igreja se torna uma instituição sem sentido e adora um ritual vazio.

“Aborreço com veemência as vossas celebrações - a vossa hipocrisia, honrando-me com festas religiosas.
Não aceitarei os vossos holocaustos e sacrifícios de gratidão. Nem sequer olharei para os vossos sacrifícios de paz.
Calem antes os vossos hinos de louvor - não passam de mero barulho aos meus ouvidos. Não escutarei a vossa música, por muito bonita que possa ser.
O que eu quero ver é antes a justiça correndo como o poderoso caudal de um rio - como uma torrente abundante de boas obras.” - Amós 5:21-24 (O Livro)

Eu vejo ao meu redor a ignorância e a inconsciência geral de minha geração. Eu sei que esta definição é clichê, mas é muito verdadeira. Naquela noite, eu escolhi deixar para trás meu pensamento. Para ser desafiado. Para avaliar. Eu sou pelas pessoas? E por entregar até não sobrar nada para dar? Deus levou minhas lágrimas de solidão e frustração e Ele as devolveu a mim como uma compreensão nova dos outros e uma mudança em minha visão do mundo.

Quão irônica esta noite sobre todas as outras noites, quando minha cabeça estava caída e meu coração estava pesado, em que Ele responderia a meus choros com canções sobre viver a vida genuína. Em resposta a orações sem foco e egoístas, Ele levou minha fraqueza e disse,

”Continue dando. Quando você pensa que não resta nada, dê ainda mais. Eu sou aquele que vai te cercar. Somente Eu posso ser o seu Conforto, seu Provedor, sua Vida Genuína.”

Oh, que eu aprenderia a ser uma pessoa real que canta as reais canções que queimam dentro de mim. Enquanto eu dirigia de volta da igreja para o campus, os céus de Tulsa estavam completamente cobertos por nuvens de tempestade. Um raio após o outro riscavam os céus, e um trovão fundo balançou as profundezas do meu ser.
Eu fui humilhado por este Deus indomável. Meus planos de cortador de biscoito. A vulnerabilidade de confiar Nele. Ao mesmo tempo, eu encontrei liberdade. Este Deus genuíno me ajudará a viver da Sua visão do mundo. Por meus próprios momentos de fragilidade e temor, Ele me faz um reconhecedor da restauração e a sua insondável fidelidade mantém o Universo (assim como a minha vida) unido.

E eu aprendi que é lá onde Ele é encontrado…é fora do meu eu.

Rhema Muncy

O texto não é meu (o original está aqui), mas poderia muito bem ser meu não fossem algumas diferenças culturais. Encontrei refrigério no duro texto de Amós 5:21-24.

Escândalo

terça-feira, 22 de agosto de 2006

Desenterrando um antigo post do ótimo blog Bacia das Almas...

“O escândalo da vida intelectual evangélica”, revela Mark A. Noll logo no comecinho do seu The Scandal of the Evangelical Mind, “é que não existe uma vida intelectual evangélica.”

Igreja Emergente na P242

sábado, 19 de agosto de 2006


O evento vai acontecer na Projeto 242 em São Paulo, no próximo dia 2 de setembro, a partir das 19hs.

Infeliz o dia...

domingo, 13 de agosto de 2006

É realmente uma pena que as palavras 'louvor' e 'adoração' tenham perdido o seu significado original no contexto evangélico (me perdoem a generalização), e se resumam hoje apenas em 'música'.

Talvez por isso o sonho de todo adolescente crente hoje em dia seja tocar guitarra na igreja, e eles "juram de pé junto" que isso é trabalhar na obra.

Talvez por isso haja hoje tanta falta de criatividade nas igrejas brasileiras onde o "ministros de louvor" compiam uns aos outros se influenciando pelo que está na moda evangélica.

Nada contra a música chamada cristã, pelo contrário, sou fã da mesma, mas como foi infeliz o dia em que resolveram confundir louvor e adoração com música.

Pensamentos de 2 anos...

quarta-feira, 2 de agosto de 2006

Há três dias atrás o Luis postou um link que direcionava para o blog do Gary Lamb, onde ele compartilhava (em inglês) um pouco do seu aprendizado depois de dois anos à frente da Ridge Stone Church. Achei ótimo o texto e o traduzi para o português.

Segue a lista...

Eu estive pensando em algumas das lições que eu aprendi nos últimos dois anos e estes pensamentos pularam para fora de mim:

1.) Se você verdadeiramente acredita em sua visão então 99% das decisões já estão tomadas. Te poupa muito trabalho.
2.) Deus enviará o andaime. Você precisa de andaimes para construir uma casa, mas uma vez construída o andaime não permanece. Deus nos enviou algumas GRANDES e ABENÇOADAS pessoas que eram andaimes. Eu odiei os ver partirem, mas eu percebo agora que Deus os enviou durante um tempo e para um propósito.
3.) Você PODE construir uma igreja sem um edifício. Todo o mundo me falou "você não pode nesta região" mas, Deus fez isto aqui. Eu realmente joguei para o alto a nossa procura por "terra firme" ultimamente para estarmos preparados, mas a falta de um edifício nunca será uma desculpa para nós não crescermos.
4.) Você pode conduzir seu pessoal vivendo COM eles em vez de estar SOBRE eles.
5.) As pessoas querem um pastor que é o mesmo de segunda a sábado que ele é de domingo.
6.) Você não pode crescer como um líder sem ter mentores que estão à frente de você no jogo. Eu agradeço Deus por essas pessoas em minha vida.
7.) Eu tenho a melhor esposa do mundo. Ela é a melhor esposa de pastor do mundo porque o ministério dela é nossa família, não a Ridge Stone Church.
8.) Deus VAI enviar cristãos que irão abrir mão de sua visão. Me levou um ano para entender isto.
9.) Vá atrás daqueles que nenhuma outra igreja quer e peça a Deus que os envie a você.
10.) Seja você mesmo. Me ame ou me odeie, eu sou quem eu sou. A maioria dos pastores são o que eles pensam que deveriam ser.
11.) Haverá críticos. Somente líderes inseguros sentem a necessidade de se defender.
12.) Você tem que crescer antes do crescimento de sua igreja.
13.) Brigue, arranhe, e mate se necessário para manter o GRANDE MOMENTO acontecendo. Isto é vital.
14.) Ministre a visão PELO MENOS a cada dois meses. Você pensa que seu pessoal está cansado disto, mas eles não vivem com ela como você vive e se esquecerão dela.
15.) Valores Essenciais não são alguma coisa escrita, eles são algo que você vive.
16.) Tenha visão de túnel.
17.) Se você não tem amizade com sua equipe, então por que eles estão por perto?
18.) Abrir mão das pessoas leigas de fato faz da igreja o que ela é.
19.) CORRA para a confrontação.
20.) Ame seu pessoal não importa a situação.
21.) Tudo se resume em duas coisas: Jesus e pessoas


Tive dificuldades em entender o significado da expressão "sold out" nos itens 8 e 18 da lista. Se alguém entender diferente, me avise por favor.