Rabiscando as paredes do Sótão

Rabisco paredes a lápis para que a borracha encontre utilidade quando eu errar.

Troquei a Marcha pela Parada

terça-feira, 27 de maio de 2008

Aconteceu domingo passado. No caminho de volta para casa, eu e minha esposa nos olhamos e de alguma forma entendemos que, se nada mudar, no próximo ano estaríamos de volta a Parada do Orgulho GLBT, e bem longe da Marcha para Jesus. Não que eu esteja esperando ansiosamente pela Parada ou algo assim, mas se ela acontecer no próximo ano, vou me esforçar para estar lá, e quem sabe para oferecer bem mais do que puda nesta última.

Também não sou totalmente contra a Marcha. Foi numa Marcha que minha esposa me achou estranho pela primeira vez. E foi numa Marcha que eu comecei a perceber também como uma multidão de pessoas, que se dizem cristãs, andando por famosas avenidas de uma megalópole, se torna uma grande oportunidade para poucas pessoas satisfazerem vontades egoístas quando "agraciadas" pelo dom divino do microfone. Portanto, a experiência foi boa.

Aceitei um convite do Jota para ir até a Parada e ajudar o pessoal da SexxxChurch a distribuir um kit que acompanhava um copo d'água e um pouco de amor para as pessoas que estivessem por lá. Para enxergar a Luz é preciso ter coragem de abrir os olhos, e ter os olhos abertos é enxergar aquilo que muitos não querem ver. Mais uma vez fui levado por Deus a entender o que ele já havia me dito várias vezes antes. Que a minha obediência a Palavra, vale muito mais que qualquer música que eu cante ao final de uma caminhada de algumas horas.

Me chamou a atenção o grande envolvimento de heterossexuais na Parada Gay. O mesmo não acontece com os não-cristãos em relação à Marcha. Me leva a pensar no quanto os cristãos por trás da Marcha deixaram de aprender com o restante da criação enquanto se enjaulavam e rotulavam "sacro" ou "impuro" aquilo tudo o que Deus criou. "Jesus ama a todos", não é mesmo?

Está na hora de a Marcha dar uma Parada.

Postado por Seloti às 12:07 AM

Posts Relacionados por Categoria



7 comentários:

Puxa! Fico pensando... já imaginou toda "energia" gasta na Marcha voltada para a Parada? Toda uma multidão disposta a ser Luz de fato e e Amor no meio de outra multidão carente dessa Luz e desse Amor? Humnn ... Até arrepiei!!!

Thiago Mendanha disse...
terça-feira, maio 27, 2008 10:02:00 AM  

Alê!

Aqui é Henrique Matos, do Missão Virtual (sim, ainda vivo!). Fiquei feliz em te achar na internet com esse blog. Ainda lembro dos tempos do FILA...

Bom saber que sua visão e bom senso avançam nessa mesma 'mão' que a igreja num pensamento contemporâneo. Bom também é ler (e concordar) que o amor de Cristo e seu sacrifício é para as pessoas, todas elas.

Grande abraço. Vamos nos falando.
Henrique

terça-feira, maio 27, 2008 2:30:00 PM  

Cara,

Parabéns pela reflexão!
É uma pena, quando as pessoas deixam o coletivo em troca do individual...
Estamos, como cristãos, nos escondendo sob tanta "maquiagem espiritual" que nem a beleza do Cristo consegue se sobressair nesse transformismo esquizofrenico.

Abração

Whaner disse...
terça-feira, maio 27, 2008 7:38:00 PM  

Não havia pensado nisso Thiago...de arrepiar mesmo...seria lindo....ainda mais se o clima fosse de amor...

Bons tempos de FILA Henrique...perdi contato contigo, mas já estou linkando seu rss no meu reader...seus textos continuam muito bons...

Obrigado Whaner!

Seloti disse...
quarta-feira, maio 28, 2008 12:35:00 AM  

Tirando as brincadeiras óbvias que se pode fazer acerca da atitude, reconheço que há anos a "marcha" deixou de ser a "Marcha" (maiúsculas e minúsculas propositais).

Aquela coisa nascida na Inglaterra, liderada pelo Graham Kendrick, que visava levar a Igreja para fora das quatro paredes, virou - no Brasil - um evento político e de promoção de pessoas e bandas. Não uma "Igreja nas ruas", mas uma rua cheia de gente. E ponto.

Gente comum, com faixas na cabeça, cantando músicas que citam os nomes de Jesus, Deus, Espírito Santo, mas que se empurram (e alguns até se esmurram), vaiam quando um homem como Marcos Witt sobe ao palco e pedem "Florzinha" a plenos pulmões (e sou fã confesso do Resgate, mas foi nesse dia que decidi não participar mais da marcha).

É triste... mas fiquei feliz ao saber da iniciativa de vocês

Parabéns!!

slsnake disse...
quarta-feira, maio 28, 2008 9:40:00 PM  

Tirando as brincadeiras óbvias que se pode fazer acerca da atitude, reconheço que há anos a "marcha" deixou de ser a "Marcha" (maiúsculas e minúsculas propositais).

Aquela coisa nascida na Inglaterra, liderada pelo Graham Kendrick, que visava levar a Igreja para fora das quatro paredes, virou - no Brasil - um evento político e de promoção de pessoas e bandas. Não uma "Igreja nas ruas", mas uma rua cheia de gente. E ponto.

Gente comum, com faixas na cabeça, cantando músicas que citam os nomes de Jesus, Deus, Espírito Santo, mas que se empurram (e alguns até se esmurram), vaiam quando um homem como Marcos Witt sobe ao palco e pedem "Florzinha" a plenos pulmões (e sou fã confesso do Resgate, mas foi nesse dia que decidi não participar mais da marcha).

É triste... mas fiquei feliz ao saber da iniciativa de vocês

Parabéns!!

slsnake disse...
quarta-feira, maio 28, 2008 9:40:00 PM  

Muito interessante a igreja tem que "impactar" o mundo, mas não escandalizar.
Deus abençoe seja benção onde estiver sempre
www.thepescador.blogspot.com

Ghernandes disse...
segunda-feira, junho 09, 2008 3:45:00 PM  

Postar um comentário